Marrocos

Bab Agnou, Um dos 19 Portões da muralha da Medina.

Com  certeza o país mais louco do nosso mochilão.A grande maioria vai para o Marrocos e faz tudo com agentes de turismo mas nós decidimos encarar e ir de forma independente.Não é um dos países mais fáceis de se viajar mas vai lhe render muitas aventuras.

Descemos em Marrakech depois de 1:30 de voo vindo de Sevilha.

Pegamos um táxi pra chegar a Medina(a parte antiga da cidade).Ninguém usa taxímetro então combine bem o valor.Dá pra ir de busão mas como já estava escurecendo decidimos chegar logo lá pois sabíamos que seria complicado achar o Riad.

O táxi nos deixou na perto da Jemma El Fna.Era final da tarde e estava lotado de gente.Já esperávamos o choque cultural porque estávamos vindo da Europa.Mas Marrakech é uma loucura, com certeza você vai ficar assustado quando chegar.

Andamos a procura do nosso Riad.Enquanto andávamos procurando, a cada dois passos alguém abordava perguntando, para onde íamos e se estávamos perdidos.Como sabíamos que tudo(mesmo que você saiba,você não faz ideia de como é) lá eles pedem dinheiro, apenas ignorávamos e íamos passando direto.Mas a medina é um labirinto e é quase impossível encontrar por si, então pedimos ajuda e um rapaz nos ajudou a andar pelos becos até chegar ao nosso Riad.E o provável aconteceu, o cara pediu dinheiro, dei 2 dólares e ele pediu mais ele queria 5.Começamos a discutir dizendo que estava bom, mas ele insistia até que o rapaz da recepção do Riad interviu e mandou o cara embora.O cara saiu resmungando, logo vimos oque encararíamos pela frente.

Riad

Riads são palacetes transformados em hospedagens  super tradicionais.Nós nos hospedamos no Sindi Sud. Vou explicar como chegar lá sem ajuda.Vá até a praça Jemma El Fna, em um dos cantos da praça terá uma loja de óculos(Optique Elamal) bem na entrada, siga pelo beco, quando passar por uma placa do Riad Manceau, vire a direita logo em seguida na primeiro viela e siga direto quando acabar a ruazinha o Riad estará a esquerda.Se não encontrar a placa do Riad Manceau vire a direita na terceira ruazinha pelo mesmo beco.Há outros Riads um perto do outro se quiser ir sem reserva e negociar na hora também dá.Pagamos 14 Euros em Janeiro quarto casal,banheiro compartilhado.

A entrada para chegar ao Riad.

Praça Jema El-Fna

O coração de Marrakech

Onde tudo acontece.O lugar mais louco que já estive.Uma muvuca de gente, barracas, dançarinos, vendedores.Um lugar muito intenso e você tem que tomar alguns cuidados para não ser enganado ou e acabar passando stress, porque a pilantragem rola solto.

Você já deve saber, em Marrakech tudo que você fizer eles vão querer te cobrar.Se eles te derem uma informação e você seguir, vão pedir dinheiro.Se tirar foto ainda que seja de longe, seja dos dançarinos s, músicos, animais e eles te verem batendo a foto vão te cobrar e vão te encher até  pagar.Então bater foto lá é uma adrenalina.rsrsr

A praça é uma loucura de dia e noite.De dia não tem as barracas de comidas, mas tem as bancas de sucos de laranja que ficam de dia e de noite.(muito barato e delicioso) tem os encantadores de serpentes, vendedores de água, macacos que pra dá você tirar foto com eles.

A noite tem os grupos musicais, contadores de estórias, mágicos, dançarinos, bancas de doces, é a hora do fervor da praça.Lá também se concentram os souks que são muitas lojas de roupas, lanternas marroquinas ,o óleo de argam, etc..

Nas barracas de comida que tem muitas e ficam grudadas uma do lado das outras.A medida que você vai andando e procurando uma a qual você queira comer, os atendentes com cardápio na mão vão fazer de tudo pra você entrar e comer com eles.São insistentes, alguns bem chatos.Então passe ignorando não dê atenção, diga apenas não, ou já comi, até encontrar um lugar pra você comer.

Aconteceu que em uma dessas barracas eu coloquei a mão no ombro de um dos atendentes e carinhosamente disse: – Não obrigado meu amigo! E o cara começou a gritar :- Porque está tocando em mim? Pra você ver que as coisas lá não são fáceis.Apenas ignore.Cuidado com as propostas de bebida grátis.Depois que você come eles te dão o chá de menta, que na verdade é gratuito em quase todas a barracas.Eu disse quase.Porque eu comi em uma e eles já servem normalmente sem você pedir, depois o cara quis me cobrar.

Mas lógico nem todos são desonestos.Em uma das barracas o cara me abordou e eu disse a ele:-Seja honesto comigo porque em outra barraca não foram, aí eu como com vocês!! Comemos nessa barraca e eles foram honestos e muito hospitaleiros. Depois que comemos nos chamaram para tirar foto com eles com os espetos foi muito engraçado.Então passamos a comer com eles todos os dias.Em uma noite o cara que me abordou disse: – Tira uma foto comigo pois eu sou honesto!! hahaha Já até estavam chamando a Michelle de “litle sister”, dizendo que ela se parecia com uma marroquina.

Super dica:Procure a cafeteria Le Grand Balcón, suba até o segundo andar e compre um chá ou um refrigerante é obrigado a consumir algo.Vá a tardezinha antes de escurecer.De lá você tem a visão de cima de toda a praça e dá pra ver o sol se por atrás da mesquita.Leve uma lente de longo alcance para fotografar dançarinos, os encantadores de serpentes, sem precisar pagar.

Vista de cima da cafeteria.

Oque comer?

Na praça há muitas opções.Você não pode deixar de experimentar a sopa de lentilha(muito barato), os Tajines(fantásticos), o Cuscuz marroquino, os espetos de Kebab.Se gosta de se aventurar experimente a sopa de caracóis apesar da cara é muito saborosa e barata, também o cérebro de bode(essa eu te desafio!haha) que não é tão ruim mas também não é algo que comeria de novo!hahha Tem também um sanduíche com de um embutido de uma carne não identificável que é muito bom!!

Experimente os doces, são muito bons também.

1.Sopa de caraóis, 2.Cérebro de bode, 3 .Sopa de lentilhas 4.O caracol 5.Cérebros e outras partes do bode 6.Tajine 7.Sanduíche de carne

Uma das coisas mais bacanas da praça são os grupos de música.Há várias rodas cheias de gente que param para ouvi-los.Eles tocam conforme as pessoas vão dando dinheiro e colocando na frente deles.Sente no banquinho oferte um dinheiro e vá curtindo, não é obrigado a dar mas é bacana ajudá-los eles sempre agradecem com muitos sorrisos e simpatia.Passei mais de uma hora ali é bem legal.

New Marrakech

A parte nova de Marrakech é limpa e é onde fica as lojas de grife, restaurantes finos, Macdonalds, Carrefour, Starbucks etc…

Pra chegar lá, saindo da Jema El-Fna procure a avenida Avenue Mohammed V, e siga direto uns 30 minutos a pé.

No meio do caminho você vai encontrar um parque muito bacana e com Wi-Fi gratuito o Cyber Parc Moulay Abdessalam.Um parque todo arborizado bem bacana para dar uma parada.

El Badi Palace, Museu Dar Si Said e as Tumbas Saadies

Os três lugares são bem bacanas para visitar e conhecer a arquitetura árabe.As entradas são bem baratas então não precisa economizar ai.

Palácio El Badi

Dica:Seguindo a rua que passa em frente a entrada do palácio El Badi, caminhe uns 15 minutos e terá uma porta com uma mulher que faz um pão árabe delicioso e muito barato.Vale a pena!!

Pães deliciosos
Museu Dar Si Said
Tumbas Saadies

Imlil e as montanhas do Marrocos

Queríamos ir para as montanhas do Marrocos e o destino era o vilarejo de Imlil.Como não queríamos pagar o tour de um dia fomos por conta.Para ir para Imlil fomos até a praça Sidi Mimoun pegar uma van.Lá funciona assim:Várias vans ficam paradas e os cobradores ficam gritando os destinos.Logo que chegamos um rapaz perguntou para onde íamos.Ele disse que era aquela van mesmo.Perguntei o valor e ele disse 50 DHR, eu achando que era por pessoa dei 100 DHR, mas vi que ele pôs no bolso 50 e outros 50 colocou no bolo de dinheiro.Então peguei que havia sido enganado, o valor real era 25 Dhr por pessoa.

Mas seguimos viagem.A van foi lotada e cada parada colocavam mais pessoas até não caber mais.A viagem foi de 1:30 hs. passamos por rios, vales, abismos e vilarejos.

Transporte 5 estrelas!hahha

O perrengue.

Chegamos em em um vilarejo no alto de uma montanha, todos desceram mas mandaram a gente esperar, ficamos somente eu e a Michelle na van.De repente a Michelle viu eles jogando nossas mochilas no chão, desci rápido peguei as mochilas e coloquei para dentro.Depois de uns 5 minutos mandaram a gente descer. As ruas estavam lotadas de gente.Era gente com mala, sacos enormes na cabeça, outras vans chegavam com mais pessoas e mais bagagens.Muitos soldados armados e policiais, era uma loucura, parecia cena de filme de guerra.Depois descobrimos que era um festival que estava acontecendo na cidade por isso estava cheia.

O motorista da van nos chamou mando pegar as mochilas e nos levou até um senhor com uma caderneta na mão.Ele só falou pro cara que nós queríamos ir para Imlil e nos largou lá.E agora? Estávamos sozinhos em algum lugar do Marrocos, não havia nenhum turista no local.Havíamos sido enganados de novo.

O cara a qual foi nos apresentado era o que organizava os táxis ele queria 100Dhr para nos levar até Imlil que estava ainda a 30 Km dali.Estávamos em uma cidade chamada Moulay Brahim.Tivemos que aceitar o preço dele, ele não baixava de jeito nenhum.Agora era arrumar alguém para nos levar porque ninguém queria ir para aqueles lados, até que um simpático senhor se ofereceu e nos levou.

Chegamos em Imlil e fomos a pé procurar nosso Guest House.Demoramos para achar pois ficava um pouco afastado.Nosso Guest House era simples e fomos recebido por um senhor muito simpático que ficou com nós até o filho dele chegar para fazer o check-in, foram algumas horas de uma boa conversa.

O povo de Imlil é diferente de Marrakech.Sentimos a diferença logo que chegamos, eles se ofereciam para nos ajudar a encontrar nosso Guest House e não pediam dinheiro.Depois na conversa com o senhor do Guest House descobri que eles não são árabes como o povo de Marrakech e sim Bérberes um povoado das montanhas e levam a vida de um jeito mais simples com menos interesses.Passamos 4 dias nesse Guest House convivendo com uma família de mulçumanos.Foi uma experiência enriquecedora.Pudemos ver como eles se tratam entre família, conhecer um poucos dos seus costumes e quebrar muitos paradigmas.O planejado era ficar três dias mas gostamos tanto e esticamos por mais um dia.

O vilarejo de Imlil.Nosso quarto no Guest House.A mercearia onde comprávamos água.Jamal e sua família.

Imlil é uma cidadezinha base para Trekkings e a escalada ao Toubkal, o pico mais alto no norte da África.Não fomos escalar o Toubkal mas ainda quero muito voltar e subir os seus mais de 4 mil metros.Mas fizemos um trekking com o nosso host do Guest House que foi o nosso guia.Jamal é um guia de montanha experiente e muito gente boa, quem for pra lá eu recomendo.

O trekking durou 5 horas passamos por montanhas, vilarejos Bérberes, criações de cabras.A paisagem era de tirar o fôlego. O interessante era que nevava em torno do vale nas montanhas mas aonde estávamos não.Vimos crianças jogando futebol no pé da montanha,crianças brincando com cabras, uma vida muito diferente sem internet, Iphones, video games…

Trekking no vale de Imlil

O Guest House que ficamos foi o Dar Atlas, é limpo e tem a melhor comida do Marrocos, o Tajine deles é fantástico e a família do Jamal é maravilhosa.Nossos dias em Imlil foram os melhores no Marrocos, valeu muito a pena.Longe da loucura das cidades. comida boae gente simples.Só tomem cuidado para fotografar crianças e mulheres, as crianças são orientadas na escola a não deixar e mulheres tem que pedir autorização aos maridos.Respeite a cultura sempre!!

Depois de quatro dias tínhamos que voltar para Marrakech, e o nosso host o Jamal conseguiu uma carona para nós,assim voltamos confortavelmente.

Apesar de toda a loucura, dos trapaceiros de Marrakech, foi o país em que apaixonei.É um país que tem uma variedade cultural incrível.A comida, os temperos são maravilhosos.Apesar dos perrengues foi uma grande escola para nós, quando fomos para outros países estávamos tão espertos com malandragem que detectávamos rápido.É um dos países que quero muito voltar.

Perrengue

De Marrakech íamos para Roma, pela Ryanair.Quando fomos fazer o check eu estava apenas com a confirmação da minha reserva no meu e-mail, mas na hora de fazer o check-in a atendente exigiu a reserva impressa.

Como  já estávamos viajando já um tempo eu não imprimi, e também por saber que a Ryanair não exige a reserva impressa.Tínhamos ido para Marrakech saindo de Sevilha e nada foi nos pedido, fizemos o check-in mostrando o email e deu tudo certo.Mas em Marrakech a mulher encrencou e mandou a gente esperar que a supervisora dela ia vir para para verificar.Depois de 1 hr nada de ninguém aparecer, então começamos a discutir, mostrei pra ela no e-mail que Ryanair me enviou escrito que não havia necessidade do impresso, e que na Espanha não me pediram nada, mas ela se recusou a fazer o check-in. Fui até a diretora do aeroporto e ela falou que eu não precisa do impresso, voltei ao balcão e nada.Fui até ao escritório da Ryanair, falaram que eu não precisava, voltei ao balcão e nada. Começamos a bater boca, mas ela só ia deixar eu embarcar depois que a supervisora chegasse, já estava quase na hora de embarcar eu lá na espera.Então na raiva joguei minha mochila no chão e ela bateu no balcão fazendo um barulhão(foi sem querer mas..) a atendente se assustou e quando ela ia atender outro cliente mandou esperar e me chamou, pediu para ver a reserva no e-mail e emitiu as passagens e disse:Na próxima vez traga impresso!! Não dei moral, peguei as passagens e sai fora.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s